O que é Internet das Coisas?

Como o próprio nome diz: Se trata da conexão das coisas à Internet! Simples assim!

É você controlar as luzes pelo smartphone;

Conectar seu ar-condicionado para controlar através do computador;

Perceber os movimentos de uma esteira industrial através de um notebook;

Simplesmente conectar qualquer coisa à internet para fazer uma operação ou verificar algum dado. Isso é IoT!

Formalmente falando, segundo Castells : Internet das Coisas (Em português – IdC) “são sistemas, no sentido amplo, interligados entre si em diferentes escalas, formando ecossistemas com componentes biológicos, materiais, urbanos – tendo em comum a informação como substrato, que passa a fluir e estar presente literalmente em toda parte. Por isso, a IdC é conhecida também como Internet Ubíqua.”

O termo “Computação Ubíqua” foi proposto por Mark Weiser em 1991, no seu artigo “O Computador para o século XXI”, para se referir a dispositivos conectados em variados lugares de forma tão sutil para nós, seres humanos, que acabamos por não perceber que eles estão lá de fato.

A partir disso fica mais claro compreender que existem MUITAS coisas envolvidas no mundo da Internet das Coisas.

Quer dizer, existe a conexão de objetos, geração, captação e tratamento de dados, interação humana, constância de uso, posicionamento estratégico… E por aí vai!

Essa interação de diferentes conceitos é classificada como “Arquitetura”, onde há a reunião de todos eles.

 

Exemplo de arquitetura IoT para nuvem de construção inteligente. (Fonte: https://docs.microsoft.com/pt-br/azure/architecture/example-scenario/data/big-data-with-iot)

O texto acima foi retirado de uma documentação da Microsoft, onde, segundo a própria fonte:

“Os dados fluem pela solução da seguinte maneira:

  1. O equipamento de construção coleta dados de sensores e envia os dados de resultados de construção a intervalos regulares para serviços Web com balanceamento de carga hospedados em um cluster de máquinas virtuais do Azure.
  2. Os serviços Web personalizados ingerem os dados de resultados de construção e os armazenam em um cluster do Apache Cassandra também em execução em máquinas virtuais do Azure.
  3. Outro conjunto de dados é coletado pelos sensores de IoT em vários equipamentos de construção e enviado ao Hub IoT.
  4. Os dados brutos coletados são enviados diretamente do Hub IoT para o Armazenamento de Blobs do Azure e são disponibilizados imediatamente para exibição e análise.
  5. Os dados coletados por meio do Hub IoT são processados em tempo real por um trabalho do Azure Stream Analytics e armazenados em um banco de dados SQL do Azure.
  6. O aplicativo Web Smart Construction Cloud está disponível para que analistas e usuários finais exibam e analisem dados de sensores e imagens.
  7. Trabalhos em lote são iniciados sob demanda por usuários do aplicativo Web. O trabalho em lote é executado no Apache Spark no HDInsight e analisa novos dados armazenados no cluster Cassandra.”

Mas, se for para resumir o conceito:

“É a conexão dos objetos à internet com a finalidade de geração de dados, geralmente voltados para auxiliar a tomada de decisão ou realizar determinada operação.”

Existem diversos projetos voltados aqui no Brasil voltados para o incentivo da pesquisa e implementação da Internet das Coisas, o que mostra que estamos vivendo uma disrupção nesta década entre 2020 a 2030.

Em pouco tempo trataremos a IdC como tratamos os smartphones hoje em dia!!